Clínica de Recuperação em Minas Gerais

Clínica de Recuperação em Minas Gerais

Encontrar uma boa clínica de recuperação em Minas Gerais pode parecer difícil se você não tiver uma boa orientação.

Mas com um pouco de conhecimento básico e de algumas comparações entre uma clínica e outra, essa tarefa se torna bem mais fácil.

Nesse artigo vamos te ajudar a encontrar uma clínica de recuperação em Minas Gerais de qualidade. Continue lendo!

Minas Gerais é o quarto maior estado do Brasil em tamanho territorial e o segundo em número de habitantes.

Antes dos portugueses chegarem ao estado de Minas Gerais, este era habitado por indígenas. Quando a descoberta do ouro ocorreu na região e foi anunciada, a migração aumentou consideravelmente.

Isso fez com que riqueza e desenvolvimento auxiliassem na cultura e na economia da então província. Mas o ouro logo se tornou escasso e muitos deixaram a região.

A população de Minas Gerais só aumentou novamente após o ciclo do café ter se iniciado. E aumentou mais ainda quando a industrialização chegou à região.

Minas Gerais tem esse nome por possuir campos de extração de vários tipos de minérios, principalmente o ouro. Até hoje a mineração é uma prática comum no estado.

A dependência química em Minas Gerais

A dependência química em Minas Gerais

Agora que conhecemos um pouco da história de Minas Gerais, vamos falar sobre a dependência química no estado que é um problema em todo o território nacional e até mesmo no mundo.

De acordo com o Centro de Referência Estadual em Álcool e Drogas (Cread), da Secretaria de Segurança Pública (Sesp-MG), a cada 10 dependentes químicos em Minas Gerais, cerca de 8 começaram a consumir drogas com idades entre 5 e 17 anos.

Sim, as drogas têm preferência pelos mais jovens, principalmente aqueles em idades escolares. Escolas e universidades são um dos alvos preferidos de traficantes de drogas, pois costuma ser um “negócio lucrativo”.

Como escolher uma clínica de recuperação em Minas Gerais

Como escolher uma clínica de recuperação em Minas Gerais

O governo de Minas Gerais se preocupa com o problema da dependência química e possui alguns programas de acolhimento e apoio psicológico ao dependente e seus familiares.

Mas a dependência química é uma doença complexa que exige muito mais do que isso para ser solucionada. Por isso o ideal é procurar uma clínica de recuperação em Minas Gerais particular.

Talvez a família pense em economizar, até mesmo por dificuldades financeiras. Mas é importante deixar claro que escolher uma clínica de recuperação completa é algo essencial para a reabilitação humana.

Afinal estamos falando de uma vida e custos para salvar vidas não devem ser comparados a custos da compra de um objeto qualquer.

Uma boa clínica de recuperação em Minas Gerais requer bons profissionais, uma área física estruturada, segura e confortável para que a reabilitação do paciente seja eficaz. Todas essas características geram altos custos, mas sem dúvida valem a pena para salvar uma vida. Ou melhor, a vida de uma família.

Portanto, se você está buscando por uma clínica de recuperação em Minas Gerais e não quer errar na escolha, até porque muitas vezes você não tem tempo para errar, te convidamos a conhecer o Grupo Nova Etapa.

O Grupo Nova Etapa possui mais de 20 anos de existência e já ajudou milhares de famílias a terem uma vida mais feliz longe das drogas.

Contamos com uma equipe profissional experiente em atender todos os tipos de pacientes e também nossas clínicas são projetadas para proporcionar a melhor experiência possível para nossos pacientes e familiares.

Entre em contato conosco agora mesmo e tire todas as suas dúvidas! Será um prazer para nós atender você!

Clínica de reabilitação de drogas: o que ela realmente representa?

Se fôssemos responder essa pergunta em bem poucas palavras diríamos que a clínica de reabilitação de drogas é um local onde o dependente químico recebe ajuda médica e psicológica para ficar livre do vício e controlar a doença.

Mas nossa intenção nesse post é nos aprofundarmos um pouco mais no assunto.

Pois sabemos que mesmo com o acesso à informação ser muito mais fácil hoje em dia, graças à internet, ainda há muita dúvida sobre o que é uma clínica de reabilitação e como funciona.

Continue lendo para saber mais detalhes!

Transtornos mentais

Transtornos mentais

As doenças da mente, ou transtornos mentais, são relativamente novas na medicina. E apesar do grande avanço envolvendo descobertas sobre estes transtornos, há muito para se descobrir ainda.

No passado, alguns desses transtornos eram confundidos com possessões demoníacas, desvio de caráter, ou qualquer outra coisa. Menos doença.

Hoje a OMS (Organização Mundial da Saúde) desmistifica tudo sobre transtornos mentais e deixa o mais claro possível o que são.

Mesmo assim, ainda existem pessoas que não entendem o que são transtornos mentais por falta de conhecimento.

Falando especificamente da dependência química (que também é um transtorno mental) as coisas ficam ainda mais nebulosas para certas pessoas.

Para ficar mais claro, vamos usar um exemplo de transtorno mental mais comum nos dias de hoje que é a depressão.

Ela é uma doença que tem se tornado cada vez mais popular em todo o mundo. Mas ainda há pessoas que acham que ela não existe, que é apenas tristeza, desânimo ou algo parecido. Mas doença, não.

Agora, falando da clínica de reabilitação de drogas, em especial da dependência química, a situação é um pouco pior.

Sugerimos que você faça um teste. Pergunte às pessoas que fazem parte do seu círculo de relacionamento, colegas de trabalho, faculdade ou familiares o que eles pensam sobre um dependente químico, um viciado em drogas.

É bem provável que as opiniões sejam negativas. Do tipo: a maioria são bandidos, “nóias”, vagabundos, pessoas ruins. Entre outros adjetivos pejorativos.

É claro que há pessoas desse tipo entre os dependentes químicos. Mas não podemos generalizar.

A Clínica de reabilitação de drogas e o seu papel principal

A Clínica de reabilitação de drogas e o seu papel principal

O papel principal da clínica de reabilitação de drogas é resgatar o indivíduo que está sendo destruído pela dependência química.

Não apenas fazer com que ele ou ela deixem de usar drogas. Isso não é suficiente. É apenas um dos passos referentes ao tratamento da doença.

Na clínica de reabilitação de drogas o paciente irá receber apoio psicológico e terapêutico para conseguir abandonar a vontade de consumir a substância que desencadeou.

Irá aprender novos hábitos e praticar atividades que o ajudarão a viver longe das drogas.

A clínica de reabilitação de drogas é muito mais do que um hospital. Ela é uma segunda chance de ter uma vida de verdade.

Ela ajuda o dependente químico, mas também ajuda sua família ensinando como lidar com a doença durante o tratamento e também no pós-tratamento.

Assim como muitos têm uma visão negativa sobre dependentes químicos, com a clínica de reabilitação de drogas não é diferente. As pessoas podem pensar que lá será um local de dar um “corretivo nos drogados”. E não é nada disso.

Aqui mesmo, no Grupo Nova Etapa, tratamos todos os nossos pacientes com muito respeito e queremos que todos fiquem livres das drogas e da dependência. Usamos métodos que priorizam o bem-estar, a segurança e o respeito pela vida.

Convidamos você a conhecer mais sobre nós, principalmente se a dependência química é um problema em sua vida.

Nós já ajudamos milhares de famílias a vencerem a batalha contra a dependência química e com certeza também poderemos te ajudar! Entre em contato conosco para saber mais!

Como é o tratamento em uma clínica de dependente químico

Como é o tratamento em uma clínica de dependente químico

Famílias que têm casos de problemas com drogas em seu meio costumam se perguntar como é o tratamento em uma clínica de dependente químico.

Faz pouco tempo que a dependência química é dada como uma doença. Foi a partir do ano de 2001 que a OMS (Organização Mundial da Saúde) a definiu como transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso de múltiplas drogas e ao uso de outras substâncias psicoativas.

Antes disso, a dependência química era vista apenas como desvio de caráter ou consequência de algum problema psiquiátrico. Infelizmente, por falta de informação, ainda hoje em dia muitos pensam assim. Mas as coisas estão melhorando aos poucos.

Tanto é que o número de internações nas clínicas de recuperação tem aumentado, mesmo que timidamente.

Isso têm seu lado bom e seu lado ruim. Ruim porque sabemos que se há mais internações, é sinal que há mais dependentes químicos. Mas o lado bom é que mais pessoas estão procurando por ajuda.

O número de dependentes químicos que procura ajuda ainda é baixo, mas vem crescendo aos poucos. Graças ao modo como a dependência química é vista pela medicina. E pelo acesso à informação que facilmente pode chegar aos dependentes químicos e seus familiares.

Quando o dependente químico tem consciência de que está doente e precisa iniciar os tratamentos, as coisas costumam ser mais fáceis. Tanto o processo de internação, quanto a reabilitação.

Mas nem sempre isso é possível. Quando o paciente não aceita o tratamento, a família pode autorizar. Essa é a chamada internação involuntária. Falamos mais sobre tipos de internação em um outro artigo e você pode lê-lo clicando aqui

Tipos de tratamento em uma clínica de dependente químico

Tipos de tratamento em uma clínica de dependente químico

Os tipos de tratamentos realizados em uma clínica de dependente químico podem variar de um estabelecimento para o outro. Mas em geral, são 3: tratamento interno, tratamento externo e tratamento de internação parcial.

No tratamento interno o paciente fica de fato internado na clínica de reabilitação e recebe cuidado e orientações médicas, psicológicas e sociais, participando de atividades terapêuticas e recreativas, tanto em grupo, quanto individualmente.

A clínica se torna sua casa pelo período necessário para sua recuperação. Esse tempo depende de cada indivíduo. Alguns podem passar 30 dias internados e outros 6 meses ou mais.

Já no tratamento externo o dependente químico não fica internado. Ele visita a clínica para participar de sessões terapêuticas e de grupos de apoios. Como um paciente que consulta o médico para tratar de qualquer outra doença.

Por fim, o tratamento de internação parcial é uma combinação entre o tratamento interno e o tratamento externo. Nele, o paciente recebe atendimento na clínica de reabilitação durante o dia e vai para casa durante a noite. O tratamento recebido é praticamente o mesmo pelos pacientes internos. Ou seja, cuidados médicos, psicológicos e atividades sociais.

O tipo de tratamento escolhido para cada paciente é definido pela equipe médica após a triagem que envolve exames médicos e entrevista com o paciente. Em casos onde a internação é involuntária, sem o consentimento do paciente, o tratamento interno é recomendado em quase 100% das situações.

Se você precisa de ajuda para combater a dependência química e quer saber mais detalhes de como é o tratamento em uma clínica de dependente químico, entre em contato com o Grupo Nova Etapa. Estamos prontos para te ajudar!

Como funciona a internação compulsória

Como funciona a internação compulsória

Na grande maioria dos casos, quem possui algum problema de vício em drogas ou em outras substâncias químicas não reconhece que possui um problema, e, mesmo que até saiba que ele existe, não tem a mínima intenção em buscar ajuda profissional para reverter esse quadro. Entretanto, sabe-se que, sozinho, as chances de um drogado abandonar o vício são praticamente nulas. O tratamento assistido por profissionais qualificados ainda é o melhor caminho para isso, em especial se pensarmos a longo prazo. Por isso, muitas pessoas que conhecem alguém nessa situação têm dúvidas sobre como funciona a internação compulsória, e em que casos ela é indicada.

Se esse é o seu caso, você sabe como pode ser difícil convencer algum drogado a buscar o tratamento adequado. Você pode já ter tentado conversar com essa pessoa, demonstrado a ela toda a sua preocupação, debatido a situação com toda a família e ainda assim se achar em um beco sem saída. Na realidade, convencer um viciado a buscar tratamento é extremamente difícil se ele próprio ainda não reconheceu a existência do problema. Nessas situações, pode ser que seja o caso de enviá-lo a tratamento sem o seu consentimento.

O problema nesses casos é que existe muita falta de informação. Há quem diga que, para menores de 18 anos ou para pessoas que detêm a guarda ou a curatela de alguém, o caminho seria muito mais fácil, pois a lei não exige o consentimento da pessoa. Por isso, muitas vezes os familiares buscam ajuda de advogados para conseguir autorização do juiz para que essa internação compulsória aconteça. Acontece que existe uma lei no Brasil que autoriza que esse tipo de internação ocorra através de um simples pedido do familiar na unidade de internação, a ser chancelado pelo médico responsável.

Quando realizada por uma equipe profissional habilitada, a internação é feita com o máximo de humanidade possível, resguardando-se todos os direitos do paciente, sem que pareça que ele está sendo submetido a algum tipo de castigo ou de prisão. Equipes de resgate especialmente preparadas para isso são enviadas a qualquer localidade em que o viciado esteja, e farão sua remoção para o centro de recuperação da forma mais profissional e discreta possível. Ali, ele será orientado por toda uma equipe, passará pelo processo de detoxificação e, quando estiver pensando de forma clara, todas as oportunidades e benefícios de sua estadia ali lhe serão apresentados, para que ele conscientemente possa escolher ficar ali ou não.

Se você considerar essa opção, tenha a certeza de que, em um primeiro momento, você tentou conversar com o viciado. Se ele estiver disposto a falar sobre o assunto e a reconhecer o problema, talvez não seja necessário adotar uma medida tão drástica. Tente primeiro outras opções, como aconselhamento psicológico, para te ajudar se necessário. Do contrário, esteja disposto a assumir o papel de bandido, pois é bastante comum que o paciente que foi internado involuntariamente se volte contra você, pelo menos no início do tratamento. A internação compulsória definitivamente é uma medida importante a ser tomada, mas sempre deve ser a última opção a ser considerada.

Estamos Online