Tratamento para alcoólatras

Tratamento para alcoólatras: o que é e como realizar

Se você não sofre com problemas envolvendo bebidas alcoólicas, é quase certo que pelo menos conheça alguém que sofra. E para tal, o tratamento para alcoólatras é a melhor solução.

Mas o que é exatamente o tratamento para alcoólatras e como fazê-lo? É o que nós iremos comentar neste artigo. Continue lendo para saber mais!

O álcool, além de ser uma droga lícita, ou seja, que pode ser consumida sem infringir nenhuma lei (desde que o consumidor seja maior de idade), também é socialmente aceito e muito consumido, tanto em festas quanto em casa.

Porém, se consumido de modo frequente e intenso a pessoa que o consome pode vir a desenvolver a dependência alcoólica ou alcoolismo.

O alcoolismo é considerado uma doença pela Organização Mundial da Saúde (OMS), pois torna a pessoa dependente da substância. Precisando na maioria das circunstâncias de ajuda profissional para vencer o vício. Tal ajuda é o tratamento para alcoólatras.

O tratamento para alcoólatras se faz necessário, pois com o uso excessivo do álcool o dependente acaba desenvolvendo a tolerância. Onde ele precisará aumentar cada vez mais o consumo da substância, para ter os efeitos que tinha antes com pequenas quantidades.

A dependência do álcool ocorre quando o indivíduo não consegue mais interromper o uso da substância. E caso pare com o consumo, começa a apresentar sintomas de abstinência, como tremores, ansiedade, fadiga, depressão e dor de cabeça.

Ainda de acordo com a OMS, o álcool representa cerca de 5,3% das mortes que acontecem anualmente. O consumo excessivo de álcool também se constitui como a causa de diversos tipos de doenças, pois muitas acontecem devido a este fator.

Como funciona o tratamento na prática?

Como funciona o tratamento na prática

Depois de termos falado um pouco sobre o alcoolismo, e quão perigoso e prejudicial às pessoas ele é, vamos falar como funciona o tratamento para alcoólatras na prática.

O alcoolismo é uma doença crônica, ou seja, não tem cura! Mas calma! Apesar de não ter cura, tem tratamento, assim como outras doenças como a diabetes, hipertensão, só para citar as mais comuns.

Pessoas com essas doenças nunca ficam curadas, mas têm uma vida normal, inclusive vivendo por muitos anos, sem complicações. Bastando apenas seguir o tratamento corretamente.

Claro que não se deve confundir uma pessoa que gosta de consumir bebidas alcoólicas com um dependente alcoólico. Mesmo que alguém goste e consuma bastante álcool, não significa exatamente que seja dependente (apesar de as chances de se tornar um sejam maiores).

O tratamento para alcoólatras deve ser implementado após várias tentativas sem sucesso de abandonar o vício. Pois como estamos falando de uma doença, a ajuda profissional é inevitável.

Na prática, o tratamento para alcoólatras não segue uma “receita de bolo” para todos. E o que funciona para um indivíduo pode não servir para outro. Simplesmente compreender as diferentes opções pode ser um primeiro passo importante.

Na realidade, há uma variedade de métodos de tratamento disponíveis hoje, graças aos avanços significativos na área nos últimos 60 anos.

Para tratar o alcoolismo é preciso saber qual o nível e gravidade da dependência para que o tratamento apropriado seja feito.

Um bom começo para o tratamento do alcoolismo é a partir do momento em que o próprio dependente passa a reconhecer a gravidade de seu problema e percebe a necessidade de se tratar.

O apoio e auxílio da família também se constitui como um aspecto que contribui de forma significativa no caminhar do processo de tratamento para alcoólatras.

A desintoxicação no tratamento para alcoólatras

A desintoxicação no tratamento para alcoólatras

Quando o dependente aceita ajuda profissional e dá início no tratamento para alcoólatras em uma clínica de recuperação, uma das primeiras coisas a serem feitas é a desintoxicação.

A desintoxicação é o processo de limpeza da substância geradora da dependência no organismo do paciente.

O procedimento é feito da seguinte forma: são utilizadas pequenas quantidades da substância que gera dependência. Até que o paciente não sinta mais necessidade de consumir o álcool.

Esse método é feito por um profissional especializado que administra de forma segura e controlada a dosagem da substância. Diminuindo as doses de forma gradual até que o organismo do paciente esteja limpo.

Durante o procedimento de desintoxicação, medicações também podem ser utilizadas. Sendo assim, esse procedimento só pode ser feito com o auxílio de um médico e de uma equipe de profissionais especializados, como também do apoio de familiares.

Atualmente, existem três medicamentos aprovados para ajudar as pessoas a parar ou reduzir o consumo de álcool e prevenir recaídas. Os médicos de atenção primária ou outros profissionais de saúde os prescrevem. Os medicamentos podem ser aplicados sozinhos ou em combinação com aconselhamento.

E por falar em aconselhamento, na clínica de recuperação o dependente alcoólico também passa por um tratamento psicológico.

O aconselhamento é um método que busca ajudar o paciente em seus sentimentos, conflitos e percepções. Esclarecendo suas dúvidas no seu processo de intervenção terapêutica, em busca de auxílio em diversas áreas da vida.

O aconselhamento tem o objetivo de educar o paciente em função de seus conflitos e problemas.

O psicólogo é responsável pelo aconselhamento, de forma confidencial. Onde o paciente pode falar a respeito de qualquer coisa, de forma privada e reservada.

Onde posso encontrar um tratamento para alcoólatras mais próximo?

Onde posso encontrar um tratamento para alcoólatras mais próximo

O Grupo Nova Etapa é uma instituição que atua no tratamento, recuperação e resgate de pacientes dependentes em álcool e substâncias químicas, a qual oferece seus serviços desde 1998.

Na clínica de reabilitação, seu familiar tem acesso a um tratamento de qualidade, de acordo com a lei, e que conta com uma equipe de profissionais especializados neste tipo de tratamento, atendendo às necessidades específicas de cada paciente.

Nosso objetivo é a restauração da qualidade de vida dos nossos pacientes, através do equilíbrio físico, emocional e psicológico.

Educando o comportamento humano e restabelecendo princípios, valores e crenças que promovem a autoestima e um relacionamento familiar e social cada vez melhor e saudável.

Temos como valores o respeito, a solidariedade, o amor ao próximo, a honestidade, a ética, a sustentabilidade, a excelência e a qualidade.

Se você está buscando por um tratamento para alcoólatras de qualidade, que de fato surta efeito, entre em contato conosco agora mesmo. Ficaremos muito contentes em poder ajudar!

O que leva uma pessoa a usar drogas

O que leva uma pessoa a usar drogas?

Se você tem um dependente químico em sua família ou em seu círculo de amigos e deseja ajudá-lo(a), saber o que leva uma pessoa a usar drogas pode ser muito útil.

Na verdade, são muitos os motivos que podem levar uma pessoa a usar drogas. Isso varia de pessoa para pessoa. Nesse artigo, nós vamos compartilhar com você algumas das principais razões. Continue lendo!

Antes de entrarmos direto no assunto de o que leva uma pessoa a usar drogas, queremos falar um pouco mais sobre as drogas em si.

Chamamos de “droga” qualquer substância e/ou ingrediente utilizado em laboratórios, farmácias, tinturarias, etc. Um pequeno comprimido para aliviar uma dor de cabeça ou até mesmo uma inflamação, é uma droga.

Contudo, o termo é comumente empregado a produtos alucinógenos ou qualquer outra substância tóxica que leva à dependência. Como o cigarro e o álcool, que por sua vez têm sido sinônimo de entorpecente.

As drogas psicoativas são substâncias naturais ou sintéticas que ao serem penetradas no organismo humano, independente da forma (ingerida, injetada, inalada ou absorvida pela pele), entram na corrente sanguínea e atingem o cérebro, alterando todo seu equilíbrio, podendo levar o usuário a reações agressivas.

O início do contato com as drogas ocorre principalmente na adolescência. É nessa fase da vida que eles afirmam sua personalidade, com novas descobertas, mudança no corpo, explosões de emoção e temperamento, o que contribui para o surgimento de novos e difíceis problemas.

Da própria influência da sociedade chegam várias cobranças e apelos de consumo, de como se mover, vestir e até mesmo como não ser “careta”, antiquado.

O que leva uma pessoa a usar drogas: razões mais comuns

Agora que falamos um pouco das drogas e o que elas são exatamente, vamos finalmente falar sobre o que leva uma pessoa a usar drogas:

Curiosidade

Curiosidade

Um dos principais motivos que leva uma pessoa a usar drogas é a curiosidade. Não quer dizer que quem tenha curiosidade em experimentar drogas esteja necessariamente passando por um problema. Muito menos que tenha vontade de se tornar dependente. Mas infelizmente é o que acaba acontecendo em muitos casos.

Influências

Influências

Como falamos antes, a influência da sociedade, de amigos, pode ser um dos motivos que leva uma pessoa a usar drogas. Isso é bem comum entre os mais jovens que experimentam drogas para fazer parte de um grupo específico ou para provar uma falsa coragem.

Busca por estimulante ou calmante

Busca por estimulante ou calmante

Em uma rotina acelerada e, muitas vezes estressante, a droga pode servir de escape para o estresse, trazendo o efeito calmante. Ao mesmo tempo, a pessoa poderá utilizar determinado tipo de droga como estimulante em uma festa ou em algum dia em que ela se sinta deprimida.

Alívio para dores físicas e mentais

Alívio para dores físicas e mentais

As angústias e dores físicas e mentais podem ser um dos motivos que leva uma pessoa a usar drogas. Isso porque, enquanto estiverem com os efeitos químicos no organismo, terão suas angústias e dores aliviadas. Seus problemas são “resolvidos” temporariamente.

Porém, passado este período, as dores podem voltar em dobro, levando-a ao consumo cada vez maior e mais recorrente. Ou seja, as drogas apenas pioraram a situação ao invés de ajudarem.

Como dissemos no início, são vários os motivos que podem levar uma pessoa a usar drogas. Estes que citamos são apenas alguns dos mais comuns.

Se você precisa de ajuda contra a dependência química, sendo você o usuário de drogas ou alguém próximo, entre em contato com o Grupo Nova Etapa.

Nós temos mais de 20 anos de experiência no combate à dependência química, tendo ajudado milhares de pessoas. Nós também iremos te ajudar!

O que o álcool pode causar na família?

Sabemos que a bebida alcoólica, o álcool, para ser mais específico, causa diversos danos para quem o consome em excesso. Inclusive causa dependência, chamada de alcoolismo. No entanto, neste artigo nós queremos falar um pouco sobre o que o álcool pode causar na família. Continue a leitura.

No Brasil, segundo a Organização Mundial da Saúde, cerca de 4,2% da população preenche critérios para abuso ou dependência de álcool, sendo 6,9% entre homens e 1,6% entre mulheres.

O 1º Levantamento Domiciliar sobre o uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil indica uma prevalência do uso do álcool na vida de 68,7%. Sendo ela maior para o sexo masculino (17,1%) do que para o feminino (5,7%). No total, há uma estimativa de 11,2% de dependentes de bebidas alcoólicas nas 107 maiores cidades do Brasil.

Sobre os males que o álcool pode causar, podemos destacar as alterações comportamentais da pessoa que faz uso e abuso da substância levando, na maioria das vezes, à desestruturação familiar.

Além disso, pode levar a gastos excessivos com tratamentos médicos e internações hospitalares, a elevado número de acidentes de trânsito com pessoas alcoolizadas, violência urbana e mortes prematuras.

Sobre os efeitos do alcoolismo na família, estudos demonstram que viver em um “ambiente alcoolista” afeta negativamente os filhos (falaremos um pouco mais sobre eles adiante) e que, para cada alcoolista, cinco ou seis pessoas da família são afetadas.

Problemas familiares como desavenças, falta de credibilidade e desconfianças são sentimentos despertados nas pessoas que já passaram pela experiência de ter um dependente e, quando há um dependente na família, todos adoecem.

O que o álcool pode causar na família: filhos

O que o álcool pode causar na família

Como você pode ver, acabamos de citar alguns dos principais problemas sobre o que o álcool pode causar na família. De uma forma geral, todos os membros da família sofrem, como também acabamos de dizer.

Porém, quem costuma sofrer ainda mais com um alcoolista em casa são os filhos.

Nascer em uma família onde a bebida determina um conjunto de adaptações decorrentes da irregularidade de comportamentos de um dos membros ocasiona frequentemente sintomas psicopatológicos. Entre eles, a hiperatividade, perturbações do comportamento, consumo precoce de álcool e outras substâncias, disfunções cognitivas, problemas de aprendizagem, sintomas de ansiedade e depressão.

Os filhos de alcoólatras, além de estarem mais expostos ao risco de desenvolverem uma dependência, quatro a seis vezes mais que os filhos de pais não alcoólicos, apresentam frequentemente, mais problemas somáticos (atrasos no crescimento) e psíquicos (dificuldades de aprendizagem, imaturidade afetiva, alterações emocionais e do comportamento).

Por fim, filhos de dependentes do álcool, quando adultos, poderão vir a apresentar dificuldades como ausência de confiança em si próprios e em outras pessoas. Além disso, poderão ter dificuldades em identificar e exprimir emoções, dificuldades no envolvimento de relações afetivas íntimas e estáveis e sentimento de culpa.

Eles também poderão demonstrar comportamentos fixos e controlados, apresentar desenvolvimento de dependência alcoólica e sintomas de ansiedade e depressão.

Esses são apenas alguns exemplos do que o álcool pode causar na família. Portanto, se você aprecia bebidas alcoólicas, muito cuidado para não exagerar e destruir a sua vida e de sua família.

Se você já está com problemas familiares devido ao alcoolismo, então entre em contato com o Grupo Nova Etapa. Nós somos uma clínica especializada no tratamento do alcoolismo e prestamos suporte não apenas para o alcoolista, mas também para a família. Esperamos seu contato!

Como internar um dependente químico

Como internar um dependente químico?

Se você é uma pessoa que sofre com algum familiar usuário de drogas talvez já tenha se perguntado: como internar um dependente químico? Se essa é a sua dúvida, está no lugar certo! O Grupo Nova Etapa irá te ajudar compartilhando dicas de como você pode ajudar seu familiar ou amigo dependente químico. Continue lendo!

É bastante comum que, pelo menos a princípio, o dependente químico se negue a aceitar ajuda de sua família. E muito menos ajuda profissional vinda de uma clínica de recuperação.

Isso consequentemente causa muitos atritos entre os familiares e o dependente, o que pode complicar ainda mais a situação de todos.

Para internar um dependente químico não existe apenas a internação voluntária, que é aquela quando o próprio dependente sabe que possui um problema e deseja tratá-lo.

Com a internação involuntária, torna-se possível internar o familiar dependente químico mesmo contra a sua vontade ou consentimento, o que permite que muitas famílias possam ajudar seus familiares com essa doença.

Sim, a dependência química é uma doença reconhecida pela Organização Mundial da Saúde. Talvez você, que esteja enfrentando problemas com seu familiar usuário de drogas não saiba disso.

Mas o fato é que se ele ou ela não aceitam ajuda, não é por falta de força de vontade, conformismo, ou algo semelhante. A própria doença prejudica o discernimento.

É bem provável que seu familiar pense que não está com problemas e que pode parar de usar drogas quando bem entender. Independente do seu estado de saúde ou dos problemas ocasionados pelo uso de drogas.

É como se a dependência química vendasse os “olhos da mente” e o usuário de drogas não percebe o quão mal ele ou ela está.

As 3 maneiras legais de se internar um dependente químico

As 3 maneiras legais de se internar um dependente químico

Chegando a conclusão de que seu familiar está doente e precisa de ajuda, que o que ele tem não é algo tão simples a ponto de ignorar ou pensar que vai se resolver por si só, vamos falar das 3 maneiras legais de se internar um dependente químico.

É verdade que na grande maioria dos casos, as pessoas experimentam drogas por livre e espontânea vontade. Porém, sempre existe algo por trás do simples experimentar uma droga ilícita, ou até mesmo lícita, como o álcool, por exemplo.

Uma pessoa pode experimentar drogas por influência de outros, principalmente no caso dos mais jovens que acabam por experimentar drogas para se enturmar, para fazer parte de um certo grupo.

Mas também pode ter o primeiro contato com entorpecentes por motivações mais graves, como famílias desestruturadas, violência doméstica, morte de alguém muito próximo, etc.

Enfim, são muitas as motivações que podem levar uma pessoa a experimentar drogas com a ilusão de se livrar ou de pelo menos aliviar seus problemas.

A princípio as pessoas realmente conseguem aliviar seu sofrimento ou “resolver” seus problemas, mesmo que temporariamente. Até que, quando menos se espera, o vício já dominou aquela vida. E o que deveria ser um alívio para os problemas acaba se tornando um problema ainda maior.

O que queremos dizer é que antes de querer internar um dependente químico, é importante saber qual foi a sua motivação. Isso ajuda na reabilitação e pode encurtar o processo.

Agora vamos falar com mais detalhes sobre as 3 maneiras legais de se internar um dependente químico:

Internação voluntária

Internação voluntária

A primeira maneira de internar um dependente químico é por meio da internação voluntária, que nada mais é do que aquela em que o próprio indivíduo, percebendo o problema que possui, busca por auxílio para solucioná-lo.

A internação voluntária é, portanto, realizada através do próprio consentimento do dependente químico, mas a família também deve auxiliar, até mesmo para que ele não desista do seu propósito.

Após ser avaliado e admitido em uma clínica de reabilitação, depois de passar pelo aval do médico responsável, o dependente químico deve assinar um termo em que deixa claro que está sendo internado com o próprio consentimento.

No caso da alta desse paciente, que se internou voluntariamente, também deve assinar um termo deixando claro que está requisitando sua saída da clínica por vontade própria.

A alta do paciente, nesses casos, também pode ser dada pelo próprio médico da clínica, ao perceber que o mesmo está plenamente reabilitado.

Essa é a melhor forma de internar um dependente químico, pois como falamos, não há resistência por parte dele. Portanto, procure conversar com seu ente querido, sem julgamentos, sem agressividade.

Mostre a ele o quanto você quer seu bem, o quanto se preocupa e que as drogas estão destruindo a vida dele próprio e indiretamente de todos que ele ama.

Pode ser que numa primeira conversa você não obtenha êxito, mas não desista. Seja perseverante. Mas se mesmo depois de muito esforço nada mudar, talvez seja a hora de pensar em uma internação involuntária.

Internação involuntária

Internação involuntária

Na internação involuntária acontece o contrário da internação voluntária, ou seja, não há necessidade da autorização do dependente químico para que isto aconteça.

No entanto, para que a internação seja aceita, é preciso primeiro que o dependente passe por uma avaliação médica, em que será emitido um laudo atestando a necessidade de internação.

A internação involuntária é uma última opção de tratamento, quando o dependente químico não demonstrou melhora em nenhuma outra opção e não deseja buscar auxílio por conta própria, não entendendo que possui uma doença.

Assim, esse tipo de internação visa garantir o bem-estar do próprio dependente, além também de reduzir os riscos para as pessoas próximas a ele.

Internação compulsória

Internação compulsória

A última forma de internar um dependente químico é por meio da internação compulsória, que é aquela realizada por meio de uma ordem judicial.

Esse tipo de internação é parecido com a internação involuntária, porém não depende nem mesmo da autorização da família.

De uma forma geral, essa ordem é realizada por um juiz quando um dependente químico é flagrado cometendo algum ato ilegal sob uso de alguma substância química.

Para que o juiz possa tomar a decisão final que leva o indivíduo à internação compulsória em uma clínica de reabilitação, é necessário a existência de um laudo médico.

Esse laudo médico irá determinar se o dependente químico realmente necessita da internação como tratamento, e após a emissão do laudo o juiz emite sua ordem judicial embasada.

No caso da alta de um paciente internado de modo compulsório, apenas o médico, através de um laudo atestando a possibilidade de o dependente estar reabilitado, poderá ter poder para requerê-la.

Apenas reforçando que esses 3 tipos de internações são legais, ou seja, amparadas pela lei. Mas recomendamos fortemente que se você quer internar um dependente químico, converse com ele e tente fazê-lo aceitar o tratamento voluntariamente.

Somente pense em internação involuntária ou compulsória em casos extremos.

Se você precisa de mais informações para saber como internar um dependente químico, entre em contato com o Grupo Nova Etapa. Nós estamos à sua disposição!

Clínica de reabilitação para alcoólatras

O Grupo Nova Etapa é uma clínica de reabilitação para alcoólatras, com mais de 20 anos de experiência no ramo. Já conseguimos ajudar milhares de pessoas e famílias que são vítimas do alcoolismo. Somos uma referência no tratamento para alcoólatras.

Nossa metodologia de tratamento e recuperação para alcoólatras são sempre atualizadas, com o objetivo de melhor atendermos a necessidade de cada paciente.

Antes de falarmos um pouco mais sobre o Grupo Nova Etapa, queremos falar tambem sobre o alcoolismo.

O alcoolismo é um problema complexo, que vai além de ser uma doença. Na verdade, muitos ignoram a gravidade do alcoolismo, confundindo pessoas que consomem muito álcool com aqueles que realmente são dependentes da bebida, ou seja, alcoólatras.

Aqui, quando usamos o termo alcoólatra, alcoolista, dependente alcoólico, ou simplesmente alcoólico, estamos nos referindo àquela pessoa que não consegue passar muito tempo sem consumir álcool.

Isso nem sempre acontece com pessoas que gostam de consumir bebidas alcoólicas, mesmo que em grandes quantidades.

O alcoólatra, em sua grande maioria, não consegue abandonar o vício, precisando da ajuda profissional que pode ser encontrada na clínica de reabilitação para alcoólatras do Grupo Nova Etapa.

Um hospital convencional pode atender um alcoólatra em situações de emergência, mas não possui estrutura para reabilitá-lo. Por exemplo, caso a pessoa sofra um coma alcoólico e precise ser ajudada imediatamente, ela pode ser levada a um hospital mais próximo, e não necessariamente a uma clínica de reabilitação para alcoólatras.

Por outro lado, para controlar o alcoolismo e ter uma vida “normal”, sem grandes complicações causadas pela doença, o tratamento na clínica de recuperação para alcoólatras é necessário. Afinal, o alcoolismo é uma doença crônica, ou seja, não tem cura, no entanto o tratamento adequado proporciona bem-estar ao alcoolista.

 

Como uma clínica de reabilitação para alcoólatras trabalha?

Como uma clínica de reabilitação para alcoólatras trabalha

Em poucas palavras, podemos dizer que a clínica de reabilitação para alcoólatras é uma espécie de hospital “aprimorado”. Podemos compará-la a um hospital no sentido de também possuir uma equipe de saúde como: médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem, socorristas, paramédicos, entre outros.

Na clínica de recuperação encontramos uma estrutura hospitalar para cuidar do paciente. Tanto quando ele chega na clínica, onde uma triagem e exames são feitos para avaliar qual a situação atual deste, quanto para avaliar seu progresso no tratamento do alcoolismo.

Mas a clínica de reabilitação para alcoólatras vai além do que um hospital convencional pode oferecer. Ela também cuida da saúde mental do alcoolista, além, é claro, da saúde física como acabamos de falar.

Afinal, como o próprio código do “CID” o define, o alcoolismo é um conjunto de transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso de álcool. Portanto, na clínica de recuperação para alcoólatras tratamos da saúde física. Porém temos tambem um cuidado especial com a saúde mental de nossos pacientes aqui no Grupo Nova Etapa.

Nós contamos com uma equipe de psicólogos, psiquiatras e terapeutas que juntos elaboram tratamentos eficazes que ajudam nossos pacientes a se libertarem do vício, ou seja, da vontade quase que incontrolável de consumir álcool.

As atividades recreativas estão contidas nesses tratamentos terapêuticos. Além das terapias, tanto em grupo quanto individuais. E as palestras motivacionais. E também não poderiam ficar de fora as atividades físicas que fazem bem não apenas para o corpo, mas também para a mente.

O ambiente e a estrutura como um todo da clínica de reabilitação para alcoólatras influenciam no sucesso do tratamento do paciente. E é por isso que o Grupo Nova Etapa se preocupa com estes detalhes.

Quais são os tipos de internação na clínica de reabilitação para alcoólatras?

Quais são os tipos de internação na clínica de reabilitação para alcoólatras?

A internação nem sempre é necessária para os dependentes alcoólicos. Porém, na grande maioria dos casos, quando um paciente ou sua família procuram ajuda, a doença já está num estágio bem avançado, sendo a internação a melhor solução. Na clínica de reabilitação para alcoólatras do Grupo Nova Etapa trabalhamos com 3 tipos de internações: voluntária, involuntária e compulsória.

Na internação voluntária, o próprio paciente aceita o tratamento e a internação, quando necessária. E em alguns casos, ele mesmo procura ajuda na clínica de reabilitação para alcoólatras, sem precisar da intervenção da família.

Este é um tipo de internação que costuma ser mais eficaz, já que o paciente está totalmente de acordo em iniciar o tratamento e está consciente que precisa de ajuda profissional.

No caso da internação involuntária acontece o contrário. O paciente não aceita a internação. E para que ela seja efetuada, a autorização da família ou de algum responsável pelo paciente é necessária.

A internação compulsória é semelhante a internação involuntária, pois em ambas, a autorização do paciente não é necessária para que se realizem. O que difere uma da outra é que na internação compulsória, a autorização da família também não é necessária.

A internação compulsória é realizada por determinação judicial, após a solicitação feita por um profissional médico competente, certificando que o alcoólatra não possui mais domínio de suas ações e, portanto, é necessária uma intervenção para a sua reabilitação.

Lembramos que, tanto a internação involuntária, quanto a internação compulsória são amparadas pela lei.

O Grupo Nova Etapa conta com profissionais qualificados que sempre prezam pelo bem-estar e integridade de nossos pacientes, principalmente em situações de internações involuntárias ou compulsórias.

Por que escolher o Grupo Nova Etapa?

Qual clínica de reabilitação para alcoólatras no Rio de Janeiro RJ escolher

São diversas as opções quando o assunto é clínica de reabilitação para alcoólatras. Mas então, por que escolher o Grupo Nova Etapa?

Tirando as informações que já falamos logo no início, de termos vasta experiência na reabilitação de alcoólatras, de termos ajudado várias famílias a combater o alcoolismo, nós ajudamos os nossos pacientes na restauração de princípios e valores, para que tenham novamente a capacidade e a força de vontade para permanecerem sóbrios.

Nos preocupamos de verdade com nossos pacientes, sabemos que a luta contra o alcoolismo não é fácil e ela deve continuar, mesmo quando o período em que a internação na clínica de reabilitação para alcoólatras termina.

Oferecemos em nossas estruturas físicas um alto padrão de acomodações, com amplo conforto e segurança, oferecendo a todos o bem-estar e consequentemente o sucesso através nossos tratamentos de reabilitação.

Estamos prontos para ajudar você e sua família a vencerem o alcoolismo. Aguardamos o seu contato.

Clínica de reabilitação para alcoólatras no Rio de Janeiro – RJ

O alcoolismo é um problema que afeta milhões de pessoas por todo o mundo, destruindo a saúde do dependente e desestabilizando famílias. Mas nesse artigo vamos nos concentrar aqui, em nosso país. Mais precisamente no RJ. Portanto, se você está buscando por uma clínica de reabilitação para alcoólatras no Rio de Janeiro RJ, continue lendo.

Muitas pessoas tendem a ignorar o alcoolismo no início, por não saberem identificar quando as coisas estão saindo do controle.

A questão de o álcool ser uma droga lícita e vista como “inofensiva” pela maioria da população mundial, torna seu consumo algo comum e, muitas vezes, incentivado por grupos.

Por exemplo, os mais jovens, quando costumam sair ou se reunirem, seja qual for o motivo, tendem a consumir bebidas alcoólicas. Principalmente se for em alguma confraternização.

Claro que isso não é exclusividade dos mais jovens. Até mesmo famílias quando se reúnem, costumam tomar bebidas alcoólicas, em um churrasco em família, por exemplo.

Colegas de trabalho gostam de tomar uma cerveja no chamado happy hour.

Enfim, são muitas as ocasiões que a bebida alcoólica pode estar presente. E não há nada de errado nisso. Mas o problema não é ingerir o álcool, e sim exagerar. Não é a toa que nas propagandas de bebidas alcoólicas sempre vemos a alerta “beba com moderação”.

Podemos fazer uma analogia com um carro. Não há problema nenhum em se ter um carro, andar pela cidade, viajar, desde que você tenha idade suficiente para ser habilitado e respeite as leis de trânsito, principalmente não excedendo os limites de velocidade.

Consumir álcool também requer uma idade mínima e respeitar limites nas doses ingeridas. Mas se você não respeita os limites, tanto num exemplo, quanto no outro, as consequências podem ser fatais.

Qual clínica de reabilitação para alcoólatras no Rio de Janeiro RJ escolher?

Qual clínica de reabilitação para alcoólatras no Rio de Janeiro RJ escolher

As situações e exemplos que falamos aqui não são exclusividades do Rio de Janeiro, acontecem em qualquer lugar. Mas vamos agora falar sobre qual clínica de reabilitação para alcoólatras no Rio de Janeiro RJ escolher.

O Grupo Nova Etapa conta com diversas unidades espalhadas por todo o Brasil. Inclusive, contamos com uma clínica de reabilitação para alcoólatras no Rio de Janeiro RJ.

Nós possuímos uma infraestrutura completa e equipe terapêutica formada por profissionais altamente capacitados e experientes, oferecendo os melhores tratamentos e obtendo os melhores resultados.

Nosso objetivo é a restauração da qualidade de vida dos nossos pacientes, através do equilíbrio físico, emocional e psicológico.

O Grupo Nova Etapa possui mais de 20 anos de experiência. São duas décadas de sucesso, ajudando milhares de famílias a vencerem o alcoolismo, restaurando a harmonia e a felicidade. Além, é claro, de recuperar a saúde física e psicológica do dependente e também de sua família.

Nós convidamos você a entrar em contato conosco para que possamos esclarecer todas as suas dúvidas com relação ao tratamento do alcoolismo. Temos certeza que você mesmo ficará satisfeito e concluirá por si próprio que o Grupo Nova Etapa é a melhor escolha em clínica de reabilitação para alcoólatras no Rio de Janeiro RJ. Estamos esperando por você!

Clínica para alcoólatras no interior de SP

Clínica para alcoólatras no interior de SP

O alcoolismo tem sido um empecilho na vida de muitas famílias no Brasil e no mundo. Ele arruína relacionamentos, carreiras profissionais, vida social e pode até mesmo levar à morte. No entanto, há solução para este problema e o Grupo Nova Etapa conta com clínica para alcoólatras no interior de SP.

Foi-se o tempo que o interior de SP era sinônimo de tranquilidade e um número de problemas bem menores que nas grandes metrópoles.

É claro que se comparado com a capital, o interior ainda é um local menos problemático, principalmente em cidades menores. Mas como as cidades vêm crescendo, se desenvolvendo, os problemas também crescem juntos.

Problemas como violência, poluição, criminalidade, trânsito intenso, entre outros, costumam mexer com a saúde mental das pessoas, as deixando mais estressadas, apreensivas.

Isso pode contribuir com o consumo de bebidas alcoólicas com o objetivo de “relaxar” ou amenizar os problemas do cotidiano. E esse consumo se tornar cada vez mais constante até que foge do controle e o alcoolismo faz mais uma vítima.

Essa é apenas uma das razões pelas quais uma pessoa pode se tornar um alcoólatra, porém existem muitas outras, como, por exemplo, a própria cultura local.

Pode-se dizer que o alcoolismo é até mais perigoso que a dependência química (relacionada à drogas ilícitas) porque as bebidas alcoólicas são aceitas pela grande maioria da sociedade.

Uma pessoa que bebe “socialmente”, ou até mesmo aquela que não costuma consumir bebidas alcoólicas, mas que quando vai a uma festa, por exemplo, bebe muito, em geral não é mal vista pela maioria das pessoas. Já não se pode dizer o mesmo de alguém que fuma maconha, mesmo que seja só de vez em quando.

 

Onde encontrar uma boa clínica para alcoólatras no interior de SP?

 

Onde encontrar uma boa clínica para alcoólatras no interior de SP

Depois de falarmos um pouco sobre como uma pessoa pode se tornar alcoólatra, chegou o momento de falar como resolver o problema.

E a melhor forma de se conseguir vencer o alcoolismo é procurando por uma boa clínica para alcoólatras no interior de SP.

Uma coisa que queremos destacar é que, se você tem problemas com o álcool, não deve ter vergonha disso, de procurar uma ajuda. Principalmente se você tem uma família ou pessoas que dependem de você de alguma forma.

Como falamos no início, o alcoolismo é uma doença progressiva, ou seja, ela pode piorar com o tempo, inclusive causando a morte. Por isso, não deixe o constrangimento ou a vergonha destruir sua vida e procure ajuda profissional.

O Grupo Nova Etapa conta com mais de 20 anos de experiência em reabilitação humana ajudando diversas famílias a vencerem a dependência química/alcoólica.

Além de profissionais experientes, éticos e competentes, o Grupo Nova Etapa possui excelentes acomodações proporcionando conforto, segurança e tranquilidade para os nossos residentes.

Nós também queremos ajudar você e sua família a terem uma vida mais feliz, saudável e unida, pois sabemos que problemas como o alcoolismo afastam entes queridos.

Portanto, se você procura por uma boa clínica para alcoólatras no interior de SP, entre em contato conosco. Estamos preparados para esclarecer todas as suas dúvidas e encontrar uma solução para o seu problema.

Como funciona a mente de um dependente químico

Como funciona a mente de um dependente químico?

Mesmo com tanta facilidade à informação como nunca tivemos antes, muitas pessoas por falta de conhecimento têm muito preconceito com dependentes químicos. É algo totalmente errado julgar sem saber como funciona a mente de um dependente químico. Nesse artigo nós vamos procurar entender esta questão.

Em primeiro lugar, um dependente químico não é um marginal, uma escória da sociedade ou algo do tipo. Essas comparações podem parecer exagero, mas infelizmente acontecem.

Muitas vezes, a própria família discrimina o adicto tornando a situação muito pior do que de fato ela já é.

Portanto, a primeira coisa que se deve fazer para entender a mente de um dependente químico e tentar ajudá-lo é não o discriminar, maltratar ou fazer comentários que o diminuam. Por mais que seja difícil lidar com um dependente químico, é necessária muita paciência, amor e compreensão.

Afinal, a dependência química é uma doença presente na relação de doenças relacionadas pela Organização Mundial da Saúde, classificada como “transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso de múltiplas drogas e ao uso de outras substâncias psicoativas”.

Apenas no Brasil, a dependência química afeta 4 entre 10 famílias. Infelizmente esse número vem crescendo com o passar do tempo. Algo que deve ser levado a sério e não ser ignorado ou tratado com pouca importância.

 

Características de como funciona a mente de um dependente químico

Características de como funciona a mente de um dependente químico

 

Bem, agora que fizemos esse panorama inicial sobre a dependência química e o adicto, vamos listar aqui algumas características de como funciona a mente de um dependente químico:

  • Indiferença aos vínculos: Um dependente químico quase nunca aceita conselhos de outras pessoas, sejam quem for. Dependendo do nível em que a doença alcançou, ele deixa de se importar com o que as pessoas próximas e desconhecidos pensam a seu respeito. Não é à toa que muitos dos vínculos familiares e de amizade são simplesmente perdidos.

  • Irritabilidade: O que muitas pessoas têm dificuldade de aceitar na forma como funciona a mente de um dependente químico é a sua irritabilidade. Coisas fúteis se tornam motivos para discussões, brigas sérias e até mesmo agressões físicas. O dependente acha que está sempre certo e que os demais é que estão enganados sobre sua situação atual.

  • Inquietação: O vício pela droga altera a maneira como funciona a mente de um dependente químico. Com isso, ele não consegue esconder a inquietação quando fica sem a substância pela qual é dependente. E essa inquietação pode fazer com que a pessoa tenha atitudes que normalmente não teria, caso não fosse a doença, como, por exemplo, furtar objetos para conseguir recursos e manter o consumo da(s) droga(s).

Existem muitas outras características que mostram como funciona a mente de um dependente químico, porém, estas que listamos costumam ser mais comuns na maioria dos casos.

Se você conhece algum dependente químico e quer ajudá-lo, entre em contato conosco. O Grupo Nova Etapa é especialista no tratamento da dependência química e sem dúvidas poderá ajudar!

Como convencer um dependente químico a se tratar?

Convencer um dependente químico a se tratar pode ser algo complicado, dependendo de cada situação. Há muitas situações onde o adicto não aceita logo de imediato o tratamento, nem mesmo admite ser um dependente, pensando que sua situação é normal que consegue parar de usar drogas quando quiser. Mas que a princípio não quer.

Infelizmente, na grande maioria dos casos, o dependente químico só inicia o tratamento quando se chega “ao fundo do poço”, ou seja, quando sua saúde e sua vida como um todo já estão devastadas. E há situações que nem mesmo assim o adicto se submete ao tratamento, muitas vezes sendo necessária uma internação involuntária.

Mas sem dúvida a internação voluntária é a melhor alternativa, pois tende a proporcionar melhores resultados na recuperação do paciente já que ele mesmo se submete ao tratamento espontaneamente. Porém, reforçando o que acabamos de dizer aqui, nem sempre o dependente aceita se tratar. Mas então, o que podemos fazer para ajudar? É o que responderemos em breve. Continue a leitura!

Se você sabe ou apenas esteja desconfiado que alguém da sua família usa drogas, primeiramente precisa entender se essa pessoa já chegou no nível de dependência. Nem todos que usam drogas são dependentes químicos, assim como nem todos que consomem bebidas alcoólicas são alcoólatras, dependentes do álcool.

Dependência química é uma doença, por mais que nem todos tenham essa visão. Uma mudança radical na personalidade pode ser indício de que uma pessoa está abusando do uso de drogas. As mudanças de personalidade são um sinal comum de todos os tipos de dependência química.

O que você pode fazer para convencer um dependente químico a se tratar?

O que você pode fazer para convencer um dependente químico a se tratar

Mas então, o que você pode fazer para convencer um dependente químico a se tratar? Se pudéssemos resumir em apenas uma palavras, nós diríamos a você diálogo. E queremos chamar a sua atenção para essa palavra diálogo, pois dialogar não é apenas falar, mas também ouvir. Portanto, você precisa falar com o dependente químico sobre sua situação, mas também precisa ouvir o que a pessoa tem a dizer.

Mesmo que você pense que sabe o motivo pelo qual fez a pessoa começar a usar drogas, viciar-se nelas e consequentemente tornar-se dependente, procure entender o porquê da pessoa ter chegado àquela situação. No caso dos jovens, é comum começarem a usar drogas por incentivo dos colegas, mas pode haver algo a mais por detrás disso, como, por exemplo, um problema familiar, por sentir-se não amado por seus pais ou algo similar.

É importante dizer que dialogar com o dependente químico nem sempre é fácil, portanto, escolha um momento em que ele ou ela estejam “sóbrios”, tranquilos e dispostos a conversar. Jamais imponha nada, não seja autoritário. Se o momento não for o melhor para conversar, então deixe para outra ocasião. Mas não desista, seja paciente que se você demonstrar real preocupação pela pessoa, em algum momento ela irá ceder.

Esperamos que você tenha gostado desse artigo mostrando como convencer um dependente químico a se tratar. Se você precisa de ajuda profissional, entre em contato com o Grupo Nova Etapa que nós estamos prontos para te ajudar!

Como lidar com um dependente químico

Como lidar com um dependente químico?

Saber como lidar com um dependente químico é algo fundamental para ajudar o adicto a superar esta dificuldade, pois é muito difícil alguém sozinho vencer a dependência química.

Antes de saber como lidar com um dependente químico, você precisa primeiramente lidar consigo mesmo. A princípio, parecer estranho ler isso, não é? Mas você logo vai entender.

A dependência química é uma doença. Na verdade, essa é uma forma simples de defini-la. A dependência química é um problema complexo que também afeta a saúde física, mas vai além disso. Ela afeta a saúde psicológica, traz problemas sociais destruindo famílias, amizades e a vida do dependente. Muitas vezes esse “destruindo” pode ser literal, levando o adicto a óbito caso o tratamento não seja feito o quanto antes.

No mundo todo são mais de 35 milhões de pessoas que sofrem devido à dependência química. Segundo o Relatório Mundial sobre Drogas de 2020 organizado pela Organização das Nações Unidas (ONU), de 2009 até 2018 o número de de usuários de drogas aumentou cerca de 30%. São números tristes e preocupantes.

Voltando ao fato de você primeiramente aprender a lidar consigo mesmo, a dependência química como já foi dito aqui pode abalar a vida de pessoas próximas ao adicto, inclusive causando a codependência, um padrão de comportamentos que aprendemos para nos proteger da sensação de estar fora de controle. Por exemplo, uma mãe que tem um filho dependente químico e sofre por se sentir culpada e/ou incapaz devido ao problema do filho.

Portanto, antes de saber lidar com um dependente químico, é preciso estar bem, principalmente com a saúde mental em dia.

O que você pode fazer para lidar com um dependente químico?

O que você pode fazer para lidar com um dependente químico

Agora que você sabe que precisa estar bem, com seu emocional estável, é hora de saber como lidar com um dependente químico.

Converse com a pessoa e demonstre que se preocupa. Diga que a ama e quer ajudar para que ela fique bem. Não faça chantagens emocionais nem tente fazer a pessoa sentir-se culpada. Estes comportamentos podem piorar a situação no lugar de ajudar.

É bem provável que o dependente químico não queira falar sobre o assunto na sua primeira tentativa de conversa. Não insista, caso a pessoa se sinta desconfortável e tente fugir do assunto, mas deixe claro que irá querer conversar em uma outra oportunidade. Mesmo que a pessoa diga que não quer falar sobre o assunto em outra ocasião, não desista, seja paciente e no momento certo vocês conseguirão ter um diálogo produtivo.

Quando finalmente a pessoa aceitar conversar com você, sugira que ela procure ajuda profissional para tratar a dependência química. Ofereça-se para ajudar a procurar uma clínica de recuperação. Talvez o dependente não aceite essa ideia a princípio, mas como dissemos antes, seja paciente e continue tentando, sempre de forma amável, demonstrando real preocupação.

Ao dependente concordar em procurar ajuda profissional, você e ele pode contar com o Grupo Nova Etapa. Nós possuímos mais de 20 anos de experiência no combate à dependência química, já ajudamos diversas pessoas e também podemos te ajudar. Entre em contato conosco para saber mais.

Importante: Utilizamos cookies para garantir a melhor experiência em nosso site. Acreditamos que você concorda com os termos